4

Não saia de casa à noite sozinho, HOMEM

por Roberta Gregoli

Uma maneira muito eficaz de se detectar padrões duplos (o famoso 'dois pesos, duas medidas') é aplicar o padrão em questão ao sexo oposto e, se soar estranho, a injustiça é explicitada. Este post mostra como seria ridículo aplicar os mesmo 'conselhos' dados às mulheres aos homens para evitar agressão sexual.

A querida Valéria Guimarães me mandou um ótimo texto que faz algo parecido, mas, para mim, melhor ainda, porque não só inverte a equação, mas a reformula com a própria premissa. Explico: este discurso de 'dicas de segurança para mulheres' tem um fundamento muito simples, o de que os homens têm um instinto sexual incontrolável. A própria ideia de roupa 'provocante' é sintoma disso: certos tipos de roupa provocam algo que é difícil - ou não pode - ser contido, não é isso?

Aliás, várias outras falácias do machismo são baseadas nesse mito. Ou você já viu alguma pesquisa que prove que os homens têm, de fato, maior desejo sexual que as mulheres? Os homens ficam nessa posição de boçais que, vítimas da própria natureza animalesca, não podem fazer nada contra ela, o que, em última instância, significa que não podem se responsabilizar pelos seus impulsos.

Já deu pra ver onde isso dá, né? Estupro? É culpa da mulher que usou uma saia que fez o cara 'perder a cabeça'. Também nessa premissa se baseia todo aquele discurso que as mulheres são seres sensatos e morais que precisam 'civilizar' os homens. Aquela história de que homem só sossega quando encontra uma mulher séria, sabe? Que o homem 'tomou jeito' depois que conheceu a fulana (= mulher séria).

O texto explora essa premissa - já que homens são trogloditas em potencial, vamos inverter o discurso e limitar a liberdade deles, não a das mulheres. Como não encontrei uma versão em português, fiz uma livre tradução de partes do texto:

E se respondêssemos à agressão sexual limitando a liberdade dos homens da mesma forma que limitamos a liberdade das mulheres?

Solicitação para que homens usem vendas ao sair em público

Em resposta à alegação de que homens são incapazes de controlar seus impulsos de estuprar mulheres usando roupas curtas, agentes dos diversos órgão de segurança lançaram uma solicitação para que os mesmos utilizem vendas nos olhos quando transitarem em lugares onde possam encontrar mulheres usando decote ou saia curta.

"Há anos ouvimos que os homens não conseguem reagir ao ver uma mulher usando, por exemplo, roupa de ginástica, e que, no entendimento deles, ver as curvas do corpo de uma mulher é um convite ao sexo, quer ela queira ou não", disse um policial. "Se isso é verdade, então não temos escolha. Queremos que as mulheres estejam seguras e, se aparentemente não há maneira de alguns homens controlarem seu comportamento ao se depararem com um decote, então todos os homens terão que cobrir seus olhos ao ir para a academia, frequentar bares ou discotecas ou mesmo ir à praia." [...]

Seria sensato deixar homens saírem sozinhos à noite?

Preocupados com os estudos recentes que mostram que, em média, 6% dos homens são perpretadores de agressão sexual durante o curso de suas vidas [...], líderes religiosos locais fizeram um apelo para que pais proíbam seus filhos homens de saírem à noite, a menos que estejam acompanhados da mãe, irmã ou uma amiga de confiança.



Os homens expressaram preocupação, dizendo que essas medidas podem impedir que alguns deles executem tarefas quotidianas, como ir à escola, trabalhar e participar de eventos sociais.

Em resposta, os líderes religiosos disseram "entender que isso talvez seja um inconveniente para alguns", mas que "essas pequenas dificuldades não são nada quando comparadas ao horror que uma agressão sexual causa à vítima". "Na verdade", disse o líder da organização, "qualquer limitação à liberdade dos homens é melhor que o risco que corremos de alguns deles agredirem alguém. É uma questão de bom senso."


É hora de admitir que alguns empregos são simplesmente muito perigosos para os homens?

As recentes acusações que Jimmy Savile estuprou centenas de crianças enquanto trabalhava como apresentador de TV para a BBC gerou diversos pedidos da sociedade civil, requisitando que se evite contratar homens para cargos semelhantes.


Jimmy Savile
"Sabemos que nem todos os homens são estupradores, e que alguns homens provavelmente são confiáveis para apresentar programas de TV de forma segura", disse o diretor da Televisions Within Borders, um grupo de profissionais que promove o bem-estar dxs apresentadores de TV. "Entretanto, sabemos que alguns homens não são dignos de tal confiança. E por que correr esse risco? Há muitas mulheres qualificadas que podem fazem o mesmo trabalho." [...]

Os que apoiam o movimento alegam que não houve um único caso  de abuso sexual de crianças por parte de técnicos de futebol desde que todos os técnicos das equipes de futebol universitário norte-americanos foram substituídas por mulheres, após o escândalo sexual na universidade Penn State no ano passado.




3

Dicas das tias feministas - eu sou machista, tia?

por Mazu


Página "Não Aguento Quando" no Facebook.
Há dois dias, minha cunhada publicou um vídeo no Orkut (sim, no Orkut!) em que um metaleiro destilava muito julgamento sobre o que ele chamou de pirirockers (deve significar algo como piriguetes do roquenrol). Não conheço o cara, mas ele fez questão de dizer que estava lá criticando a hipocrisia das meninas que usam roupa curta, mas são roqueiras, e ficam criticando as meninas que usam roupa curta e escutam funk. Provavelmente, a hipocrisia que ele detectou existe. Se realmente há alguém que usa roupa curta criticando alguém que usa roupa curta, sim, há hipocrisia. Mas essa não é a questão. Ainda que ele tenha se explicado e dito literalmente "as pessoas podem fazer o que quiser e ser feliz, não tenho nada com isso", o vídeo é machista, não parece, assim de parecer logo de cara, mas é. Muito provavelmente, essa não foi a intenção do autor e, muito provavelmente, vários de nós (si, jo también) destilamos machismo de quando em vez, sem nos darmos conta. E por que, meu Deus, por quê? Porque a ideologia do patriarcado é tão embebida, incutida nos nossos costumes que pode passar despercebida.

Femstagram no Facebook
Um exercício interessante, inclusive para xs companheirxs recém chegadxs no movimento, é se escutar falando. Loucura, né? Mas, é isso mesmo. Na grande maioria das vezes, quando uma afirmação só serve para homens ou mulheres, essa afirmação está lá com seus 90% de chance de ser sexista. Vou usar como exemplo o vídeo que minha cunhas postou. Não é semanticamente possível dizer "os pirirockers", certo? Quero dizer, não rola tirar sentido da expressão, assim sem um contexto mais específico. Rola dizer "maria-palheta", um termo usado para groupies, e fazer sentido, mas não rola dizer "joão-palheta" e fazer sentido, novamente, sem um contexto que nos ampare. Não quero comprar briga com os compas da linguística, então já adianto, com contexto e interação tudo pode na linguagem. Mas, vamos supor, ainda que um contexto específico nos permitisse tirar sentido dessas expressões, eles não seriam exatamente iguais, não carregariam o mesmo pacote de sentidos, porque estamos em uma sociedade com esse e aquele discurso anterior, ou seja, esse e aquele preconceito já estabelecido. Vide o cara "galinha" e a mina "galinha", que trazem significados bem diferentes empregados aqui e lá.

Alguém poderia dizer: tem coisa que só homem faz, tem coisa que só mulher faz. A resposta mais simples para isso, além de "oi, século XXI?" é que essas coisas só de homem ou só de mulher têm que ter explicações muito biológicas mesmo, muito provavelmente envolvendo o uso direto da genitália. Do contrário, a gente pode detectar sexismo novamente. A Rô trouxe uma discussão legal sobre isso, quando tratou dos brinquedos demeninas e meninos.

Esses atos falhos nossos acontecem para o bem e para o mal, o tempo todo. Dia desses, um amigo publicou no facebook: "fulana de tal (que fez x e y): uma mulher para entrar na lista de mulheres que fizeram diferença na humanidade". Sério, lendo isso, a gente não fica com aquela impressão de que quase não existiu mulher para fazer diferença? Pois é.

E não rola só com mulheres, dizer que os homens são todos canalhas é tão sexista quanto dizer que as mulheres são todas interesseiras. Toda discriminação ou papel já estabelecido, sem explicação biológica (eu ia dizer racional, mas não seria suficiente), para um gênero implica sexismo. Dizer que é dever do homem pagar as contas é sexista também. E assim vai.

Créditos: Femstagram no Facebook
Todo mundo escorrega, não rola dizer que não. Se em determinado momento da vida, alguém pisa no calo e a gente vai falar mal ou discutir, uh, como rola preconceito. Eu tenho irmã, eu sei como é. Deus me livre daquela máxima "Não sou machista, nem feminista, sou humanista" porque, sério, isso é um uso super errado de todos, todos, todos os termos da sentença! Machismo não é o contrário de feminismo, nem os humanistas têm nada que ver com a bagaça toda. Mas o ideal, para evitar os escorregas sexistas nossos de cada dia, era a gente usar "pessoa" ou "gente" nas afirmações para evitar, né? Tipo "tem gente interesseira" não "tem mulher interesseira". E, aí, se me for permitido um adendo fora do escopo do blog e do post, melhor mesmo seria tentar ser positivo e não ficar de mimimi por aí e dizer que "tem gente legal no mundo", sei lá, talvez isso ajude na tarefa complicada de gostarmos uns dos outros.

Não Aguento Quando novamente
Voltando, a dica das tias de hoje, que serve pra tia também, é: quando a gente for criticar alguém, para evitar cairmos em qualquer armadilha linguística do preconceito, vamos tentar trocar o "x" por "pessoa". Assim, ó: na frase "tinha que ser X", sendo x = mulher, gay, preto, nordestino, gordo, se a gente não puder trocar x por "pessoa" e conseguir sentido, que liguemos o alerta do preconceito, porque há, talvez não seja evidente, mas há.


7

Maternidade ou trabalho: os inconciliáveis

por Barbara Falleiros

Ao longo desses anos passados na universidade francesa, sempre me surpreendeu a ausência de crianças circulando no meio universitário. Não, não falo de superdotados, mas dos filhos dos estudantes. No Brasil, durante a graduação, via pelo campus estudantes grávidas e seus bebês (os amigos da Unicamp talvez se lembrarão do episódio de uma pequena que fez xixi em plena sala de aula...). Eu mesma cresci tomando o leite do bandejão da USP. Em Paris, as pouquíssimas estudantes grávidas que encontrei estavam, em geral, terminando o doutorado. Nunca vi um único bebê nos locais da faculdade. Procurei estatísticas sobre as estudantes-mães por aqui e não encontrei, sei apenas que existem na cidade três creches universitárias com capacidade conjunta para 100 crianças. 

Pode-se até dizer que isso é bom, que os longos estudos, a maternidade numa fase mais madura e a prioridade dada à carreira são indícios de uma sociedade "desenvolvida". O que eu desconfio é que o fato de o aborto ser legalizado contribua para que as estudantes se tornem mães mais tarde, fazendo da maternidade uma escolha altamente planejada. Mas de qualquer maneira, a impressão que tenho é de que, no meio acadêmico, nunca há hora propícia para se ter um bebê. Do ponto de vista profissional, a maternidade é sempre um demérito, uma fraqueza. Falo deste meio porque é nele que estou inserida, mas sei que a situação não difere em outros ambientes profissionais.

Às vezes as pessoas que têm uma ideia estereotipada das reivindicações feministas pensam que feminista é aquela que "odeia homem", "não quer ter filhos" e milita pela "destruição da família". As coisas não são tão simples. A escolha da maternidade é individual, o que importa para todos é o direito da mulher de não ser reduzida à sua função reprodutora. Pois é esta redução que motiva a discriminação profissional das grávidas: espera-se de uma mãe que esta seja sua função primordial e que esta tarefa a ocupe integralmente. O que, claro, atrapalha a atividade profissional. Então é filho ou trabalho, as duas coisas não! - este é o leitmotiv. E volta aquela velha história de padrão duplo: este tipo de clivagem não diz respeito ao homem, que normalmente não conhece um efeito direto de comprometimento da carreira com a chegada de um filho. Porque para uma empresa preocupada com o desempenho de seu funcionário, por exemplo, que o homem tenha filhos ou não importa menos, já que a responsabilidade do cuidado das crianças recai majoritariamente sobre a mãe. Na cabeça do chefe, quem é que vai faltar no trabalho quando a criança estiver doente?

É interessante perceber como funciona o círculo vicioso: para começar, o salário de uma mulher já é 30% inferior ao de um homem. Quando ela tem filhos, sua carreia é geralmente freada, enquanto que a do homem segue seu ritmo de evolução. No interior da família, isso contribui para colocar o trabalho do homem em primeira ordem de importância, mantendo-o no papel de provedor e relegando à mulher a responsabilidade principal no cuidado dos filhos. Por sua vez, ao assumir esta responsabilidade, a mulher é levada a colocar a carreira em segundo plano. Esclareço que não tenho particularmente nada contra famílias em que um trabalha "fora" e outro "dentro", em que um se investe mais no trabalho e outro menos, o problema é que estes não costumam ser modos de vida escolhidos livremente; este tipo de configuração, induzido por inúmeros fatores como os que foram citados, podem implicar um jogo de poder no interior da família, colocando uma das partes (a mulher) numa posição frágil. É o mais comum.

Não há como negar que o período da gravidez pode exigir certas adaptações, dependendo da profissão exercida, e que a mulher precisa passar por uma recuperação física e emocional no pós-parto. Mas este período é transitório. E a mulher voltaria em melhores condições se tivesse, em casa, a ajuda de seu companheiro. Afinal, o filho não é do pai também? É correto que ele fique apenas uma semana com o recém-nascido? O projeto de lei 879/11 prevê a ampliação da licença paternidade de cinco para trinta dias para que ambos os pais possam cuidar do bebê e se adequar à nova rotina:

“A ausência paterna sobrecarrega a mãe, que se encontra no delicado período puerperal, cuja duração é de 30 a 45 dias após o parto, muitas vezes em pós-operatório, com limitações físicas e carências psíquicas, e que necessita ser auxiliada nos cuidados imediatos do bebê”

Com uma ressalva ao texto citado: na minha opinião não se trata de auxílio, pois auxílio é o que se oferece a alguém que se encontra na incapacidade de exercer uma tarefa que lhe cabe. Auxílio é favor: "Deixa que eu faço pra você". É um pouco como dizer do marido que ele "ajuda" nas tarefas domésticas... Trata-se, ao contrário, de dar ao pai a possibilidade e o direito de assumir o que é de sua responsabilidade. Quando há um pai e uma mãe (ou dois responsáveis), a tarefa de cuidado de um filho deveria ser dividida de forma igualitária. A mãe, menos sobrecarregada, veria possivelmente uma diminuição do impacto negativo da maternidade sobre seu trabalho.

Voltando à questão da discriminação profissional da mulher grávida. Lembro da história de uma amiga que, prestes a receber uma função de importância numa grande multinacional de cosméticos, anunciou aos superiores sua gravidez. Sua chefe respondeu: "Mas você sabe, você não precisa ir em frente com isso, há sempre a opção do aborto! E pense bem, uma oportunidade como esta não se repete!" Como eu disse acima, ou filho ou trabalho, a mulher acaba sofrendo a pressão para escolher entre um e outro...

 Discriminada no trabalho e com um
 computador do século passado! (brincadeirinha)
Mas há outras formas mais ou menos sutis de assédio moral e discriminação, como a perda de promoções ou mesmo a não contratação de mulheres que se aproximam do prazo de validade,  ameaças ("Ah, mas você tem certeza de que não fazer uma encomenda para a cegonha, não é? Por que veja bem, para nós não vale a pena investir em alguém que não se mostrará 100% comprometido com a nossa empresa"); desvalorização de mulheres que já têm filhos servindo-se da desculpa de que seu foco não está na empresa; horários para a amamentação não respeitados ou dificultados; avaliações de desempenho negativas e atribuição de funções inferiores na volta da licença-maternidade; recusa de benefícios e oportunidades; ou ainda a discriminação por parte dos próprios colegas, que encaram as adaptações das condições de trabalho da funcionária grávida como privilégios ilegítimos ou que pensam que a licença maternidade é o equivalente a férias.

Uma empresa pode e deve ser processada por qualquer discriminação desse tipo. E à mulher grávida cabe conhecer seus direitos, listados nesta página do governo. Por outro lado, algumas empresas mais espertinhas seguem o caminho contrário e adotam políticas de melhoria das condições de trabalho das grávidas-mães, como pausa alimentação para as grávidas, berçário no local, facilitando a retomada do trabalho após a licença maternidade, licença de seis meses, bônus e ajudas de custo, horários flexíveis, salas de amamentação. Claro que para as empresas há vantagens, como o abatimento de impostos. Mas é bem possível que algumas tenham se dado conta de que funcionário contente é funcionário engajado e que tenham percebido, ao respeitarem o trabalho das funcionárias, que a "igualdade de gênero aumenta a produtividade", como mostrado no Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 2012.

Deixo a pergunta para as nossas leitoras: quem aí sofreu discriminação e quem tem outros exemplos de políticas corporativas positivas? (Não me deixem falando sozinha! rs) Na semana que vem, meu último post desta série sobre maternidade com um assunto doloroso mas importante: a violência obstétrica.




5

Ela descobriu o prazer e o amor aos 60

por Tággidi Ribeiro

Nunca é tarde para desistir de um casamento infeliz
Todos nós conhecemos a seguinte história: uma mulher se casa jovem, tem filhos, o marido é um mulherengo, o casamento se esgota, mas continuam vivendo juntos até morrer, experimentando graus variados de sofrimento, raiva, até mesmo ódio, cansaço, no mínimo tédio e alguns momentos de conciliação que no fim das contas servem para a manutenção do inferno. 

Isso é da época em que o casamento era indissolúvel, do 'o que deus uniu o homem não separa', de mulheres que ousassem separar-se do marido serem consideradas putas e virarem párias sociais. Hoje em dia, a coisa é um pouco diferente: tanto o homem quanto a mulher podem pôr fim a um casamento infeliz e mulheres separadas são bem menos estigmatizadas. Ainda assim, casais arrastam relações perniciosas por anos até decidirem-se pela separação.

A questão é que a mentalidade - e as leis - mudaram há pouco tempo. Daí termos um contingente cada vez maior de homens e mulheres divorciados somente depois de vinte ou trinta anos de casamento. Como a protagonista da história que vou contar agora, de desfecho tão diferente dessas que todos nós conhecemos.
Nunca é tarde para sair de uma relação abusiva

Ela é uma mulher de fibra, lutadora, trabalhadora e batalhadora desde sempre mas, como costuma acontecer, uniu-se a um homem que, além de não reconhecer suas qualidades, a rebaixava. Era, além disso, perdulário, adúltero e tirano: gastava as economias da família, assediava amigas e parentes da mulher, fechava negócios sem consultá-la, usando o dinheiro dela. Quando ela relembra esses fatos, diz que poderia possuir patrimônio três ou quatro vezes maior do que o que tem hoje, construído na labuta diária e na administração sensata dos ganhos.

Ela ficou com esse homem durante 37 anos e é tanto tempo, é tanta vida que a maioria de nós pensaria ser impossível ou inútil tentar se desligar de todo esse passado. Mas ela enfrentou toda a sua história e resolveu separar-se do marido. O filho já estava criado e tinha escolhido seu caminho. Mulheres separadas já não eram mais mal vistas como quando se casou. Ela era financeiramente independente. Não havia motivo algum para manter a relação sofrida e conflituosa.

Nunca é tarde para descobrir o amor e o prazer do sexo
Ela começou tudo de novo - aos quase 60 anos: solteira, morando sozinha. Trabalhando sempre, viu que tinha tempo para si. Começou a dançar. Tomou gosto. Conheceu a paquera. Começou a namorar. E pela primeira vez, em toda sua vida, sentiu prazer no sexo. Sentiu tesão de verdade. O marido dizia que ela era 'ruim de cama' e justificava dessa forma a traição. Ela descobriu que ele é que não era lá muito bom.

Nem tudo foram flores: ela viveu outra relação abusiva mas da qual, gato escaldado, logo se libertou. E assim vai, libertando-se, e é assim que eu a vejo, como um grande exemplo para todas as mulheres (e homens também) de liberdade, de renovação, de força, de que a felicidade é possível agora, a qualquer momento.

Ela hoje namora, está apaixonada, é sexualmente realizada, mas não quer casar. Ela gosta de viajar - tomou gosto pela Europa, por Paris, que conheceu depois dos 60 anos. Ela trabalha. Ela é uma mulher bonita, vaidosa sem exageros, ativa e inteligente. Orgulha-se de seu filho e ele dela. A vida vale - mais - a pena.
Sim, nós podemos!
ps: pra quem acha que a vida da mulher acaba depois dos trinta anos.
ps2: para as mulheres que perderam a autoestima em casamentos infelizes, sendo continuamente inferiorizadas por seus maridos - essa é uma história real.


8

Quando uma Subvertida ama

por Roberta Gregoli

Encontro das Subvertidas em janeiro de 2013
(Barbara em espírito e Photoshop)
Não sei se é a gripe, se é ter acabado de fazer anos ou se é ter voltado para a Inglaterra, mas o post de hoje é fofo. Tome insulina, minha gente, que o negócio tá água com açúcar.

Algo muito poderoso acontece quando as pessoas se juntam. Pode ser algo poderosamente horrível, como quando um bando de caras se juntam para assediar mulheres na rua, mas pode ser maravilhoso também. Não que o nosso blog seja lá tudo isso (ainda nem temos tantos seguidores quanto outros blogs feministas), mas para mim ele é maravilhoso por vários motivos. Primeiro porque me trouxe mais perto dessas mulheres fantásticas e inteligentes. Cada uma do seu jeito traz um ingrediente especial ao blog: o humor incrivelmente sucinto da Mazu, a prosa extraordinária da Barbara, as reflexões filosóficas e por vezes pertinentemente raivosas da Tággidi.

Em segundo lugar, e isso acontece em qualquer fórum feminista (basta ver os relatos no Cantada de rua - conte o seu caso), o nosso blog é uma pequena ilustração da capacidade de empoderamento na coletividade. Me lembro de uma vez ter visto uma charge que agora não consigo encontrar: uma sala com diversas mulheres, todas pensando "Sou a única feminista aqui". A gente quando se cala - o que é fácil de acontecer numa cultura em que 'feminista' continua a significar mal-amada, amargurada, incendiária de sutiã - inevitavelmente se sente isolada e impotente. Ao colocarmos a boca no trombone arrumamos muita briga, mas também encontramos pessoas que pensam parecido e nos dão força. E isso empodera e incentiva a continuar colocando a boca no trombone, que é o primeiro passo para qualquer mudança.

Agora conte para todo mundo!
Por último, uma coisa fascinante que vejo acontecer com o blog é a mudança de fato. A mudança é proporcional ao nosso tamanho, mas ainda assim é, para mim, recompensadora. Além dxs leitorxs e amigxs que entram em contato com denúncias e reflexões, o que mais me impressiona é ver uma mudança de comportamento das pessoas à minha volta. Isso toma uma série de formas, desde a mais básica, que é um grupo se policiar nos comentários sexistas quando estou por perto, até a 'conversão' de fato. Como os silenciamentos, as inversões perversas e o menosprezo à pauta feminista são o padrão, a discussão de certos temas feministas no senso comum continuam num nível muito básico, e vejo alguns conhecidxs começarem a repensar suas posições, provocadxs pelos nossos textos. E, num mundo cheio de masculinistas e trolls, um a menos é muito.

Por isso tudo, meus agradecimentos. A todxs xs nossxs leitores, em especial xs que comentam e compartilham nossos textos, e, muito especialmente, a Barbara, Mazu e Tággidi, minhas queridas há mais de uma década.

Acabo este post por aqui para não elevar a glicemia de ninguém. E ai de quem disser que feminista não pode ser romântica.


1

O seu carro, a sua casa e a sua mulher


Há um ano, mudei para o Distrito Federal. Aqui, tudo é muito diferente, muita coisa choca, muita coisa assusta, para o bem e para o mal. Uma das coisas que mais me assusta, para o mal, no DF, são os casos de violência contra a mulher: são quase 15 ocorrências por dia. Em março de 2012, o DF era o líder de denúncias no ranking, seguido pelo Espírito Santo e Pará. 

O DF é muito menos lilás que isso

Na maioria dos casos, a agressão faz parte daquela velha história de "amor": a gata amava o cara, não ama mais ou não tolera mais, então, toma tiro, toma pancada e vai tomando. Outra prática comum é o assalto seguido de estupro, geralmente envolvendo casais e famílias como vítimas. Isso me fez pensar na Marcela Temmer, em outras pessoas e situações nessa vida. Muita coisa mudou, melhorou até, mas as mulheres ainda são vistas como posses do homem. É a conclusão possível, né? Triste.

Li, por indicação de uma amiga, uma notícia antiga sobre a Marie Nzoli e o cotidiano das congolesas, cotidiano este que envolve estupros diversos e variados em sua vida, por tantos motivos. Na verdade, não consigo pensar em coisa mais sem motivo que o estupro. Mentira. A guerra, o genocídio e a briga político-social pelos diamantes, no Congo, são ridiculamente e igualmente coisas sem motivo, mas enfim.

Não rola comparar o Brasil com o Congo, a situação lá é de fazer chorar, vomitar e tudo mais. Aqui, a gente conta com esse e aquele instrumento legal e instituições de defesa, mas ainda assim, determinadas coisas acontecem. Eu disse ali em cima que esses acontecimentos absurdos narrados pela Marie são sem motivo, mas é pela brutalidade né, pelo grotesco do cenário. Na real, o motivo de o estupro servir de arma de guerra; de um cara entrar na casa de outro cara e roubar a casa, o carro e estuprar sua mulher; de o ex matar ou tentar matar a ex; enfim, o motivo é o machismo. É, o machismo é motivo para coisas que vão desde as mais bobas às mais graves. Século XXI, e ainda tem MUITA gente achando que a mulher é posse do homem.

Marie Nzouli e a organização que fundou no Congo

Pessoalmente, acredito que nossas posses têm o poder de nos transformar, para o bem, quando nos trazem responsabilidades. Acredito que relacionamentos nos transformam, para o bem, quando fazem de nós pessoas melhores. É óbvio que isso não acontece sempre. Um exemplo, ou melhor, um desenho. O Lula Molusco tem uma casa de pedra e um clarinete. Vamos supor que ele comece a namorar a Pequena Sereia. Nada, nada disso vai adiantar, se o Lula Molusco continuar sendo o mesmo babaca de sempre, implicando com o Bob Esponja só porque ele é uma esponjinha feliz. Agora, se ele for namorar a Ariel e deixar o Calça Quadrada ser feliz, aí sim faria alguma diferença.

Além dessa questão de posses e relacionamento não mudarem ninguém. O mais importante de tudo é isto: as mulheres não são coisas. Não são comida, não são enfeites, não são objetos. Elas não podem sofrer  violência de qualquer natureza por não querer um homem, por estar sozinha, por não estar de burca ou por estar.

A gente, aqui no blog, é acusada o tempo todo de exagerar e tudo o mais. Já disseram que somos mal resolvidas porque vemos machismo em tudo. Bom, é nosso papel, como feministas, mostrar que o machismo está no ar. E que vai desde escutar assobio na rua até a amiga da prima da vizinha que levou um tiro porque tentou largar um cara. E, se apontar, chamar atenção aos fatos é ser mal resolvida, sim, somos mal resolvidas. E preferimos assim. Sério, se existe alguém em paz com uma sociedade em que estupro pode fazer parte do cotidiano de tantas formas, humildemente, tenho que dizer que ser bem resolvido é uma bosta, a pessoa precisa ter um problema muito sério para ser bem resolvida com a sociedade como está.


0

O corpo da grávida: privacidade e intimidade

 por Barbara Falleiros

À medida que o corpo feminino se transforma durante a gravidez, muda também o modo de concebê-lo. Ao mesmo tempo, para a mulher, a gravidez é um momento de redefinição da identidade. Confesso que gostaria de ter estudado psicologia e que às vezes me vejo coletando dados para minha psicologia de boteco. É por isso que sempre sorrio quando uma amiga - agora mãe - fala em nome do bebê ao invés de falar em nome de si mesma: "o neném te manda um beijo!" Manda nada (rs)! Mas eu acho singelo. Você tem uma pessoa dentro de você, pelo menos durante um certo tempo aquela pessoa É você... 

"Fala de bebê" ofende a minha inteligência
Se por um lado acho inofensivo a própria mãe falar (de leve) em nome do bebê, fico perplexa diante da infantilização da mulher e de todo o uso exagerado de diminutivos ao se dirigir a uma grávida. A menos que você seja português, qual a justificativa pra dizer: "Ai, que gravidinha linda, olha essa barriguinha, você está comendo direitinho?" Já é irritante quando falam com bebês como se fossem imbecis, tratar dessa forma uma pessoa adulta é impor-lhe a redução de sua identidade e individualidade.

Mas deixemos essas análises para os mais competentes e voltemos ao corpo. Existem dois aspectos da forma como se lida com este novo corpo transformado que considero desconcertantes. Ambas dizem respeito à intimidade da mulher, ou à falta dela... Nós falamos um pouco no post da semana passada e nos comentários que ele suscitou que o corpo da mulher grávida é quase que santificado, "receptáculo da vida" em concepções de fundo religioso, transforma-se em um corpo dessexualizado (pois já está cumprindo sua função reprodutiva). Assim, privado da dimensão sexual que é situada, para nós, no âmbito da intimidade, o corpo grávido de repente se torna um corpo público.

Sim, estou grávida. Não, você não pode
tocar minha barriga!
"Que linda, posso passar a mão na sua barriga?" - diz o(a) desconhecido(a). Talvez eu esteja exagerando e eu mesma seja um bom objeto de estudo para minha psicologia de boteco, mas se estas são formas de aproximação "carinhosas", eu me pergunto, quem é que quer carinho de desconhecido? As implicações são outras, é verdade, mas em termos de atitude não vejo muita diferença entre pedir pra tocar uma pessoa que você não conhece e pedir pra ver seu pé...

Tem até aquelas que levantam a bandeira: "Barriga de grávida não é corrimão!" Caso perdido, a barriga aumenta e a grávida vai perdendo pouco a pouco sua privacidade... "Você está se cuidando?", "O bebê foi planejado?" Mas o que é que o outro  tem a ver com isso? E sobretudo, como é que ele se acha no direito de perguntar?

"Por que minha gravidez significa que pessoas aleatórias podem me tocar, perguntar como eu me sinto, dar conselhos que eu não pedi e me incomodar? Quando foi que meu corpo privado virou público?" "Há cerca de 10 cm!" "... Imaginem então como eu me sinto com meu sutiã GG?" (Imagem: mama-is.com)

O segundo aspecto que mais me desconcerta na relação - dos outros - com o corpo da mulher grávida é a forma como ele é tratado na "volta à sexualidade" no pós-parto (visto que a sexualidade supostamente não existe durante a gravidez...). A Tággidi falou uma vez da moda crescente de cirurgias íntimas, busca pela adequação a determinado "modelo estético" de vagina. Isso já é absurdo e triste o suficiente, porém é possível ir além. Sinto arrepios quando ouço a expressão "ponto do marido", que (pelo que entendi) consiste em praticar a episiotomia costurando a vagina mais apertada para "dar ao marido a sensação de penetrar uma virgem". E que isso cause dores à mulher, não preciso nem dizer. (Já posso ir embora desse mundo? Não quero mais ficar aqui, não!)

O negócio é que, no senso comum, por aí, a grávida logo passa de santa à baranga. Se ninguém ousou criticar seu corpo diretamente durante a gravidez, os ataques ressurgem quando se espera que a mulher volte à ativa. Numa concepção absolutamente machista das relações sexuais, na qual o corpo da mulher existe para satisfazer o homem e a satisfação do homem consiste basicamente na penetração da mulher, ei-la então como objeto imprestável, desqualificada, "flácida", "alargada", "estragada". Para coroar, muitas vezes é isso o que motiva a preferência por cirurgias cesarianas. Seguem algumas pérolas encontradas em uma discussão sobre a "flacidez da vagina após o parto normal": 

"Minha namorada teve dois filhos. Cesárea. Minhas mulheres só fazem cesárea. Parto normal, nem pensar!!!!!!!! Mulher fica molhada, super larga, terrível!!!!!"

"[A vagina] Não volta ao normal sem algum procedimento estético após o parto normal! Sou casada, tenho 2 filhos ambos de parto normal. No primeiro parto não senti diferença, mas no segundo... Nossa, estou gigante, já fui traída por conta disso... Sabe, é até um desabafo. Ainda assim, com tudo isso, meu esposo não assume essa minha deformidade. (...) Dizem que o parto normal destrói casamentos (...). Ouvi dizer que a sensação é de fazer sexo com um copo americano quando antes do parto a sensação era de um anel."

"Sou ginecologista e há anos venho dizendo que após um parto normal de crianca grande ou dois de criança de uns 3 kg, a mulher fica com a vagina bem flácida e logo indico a correção cirúrgica. Só que o pós-operatório é muito doloroso. Devido a isso acho cesariana muito melhor, pois os maridos normalmente não reclamam por pena da parceira, mas depois que conserto eles ADORAM!"

Deformidade e conserto. Sexo é o que "segura" o homem no casamento e casamento é um compromisso do qual um homem sempre busca escapar... Sexo é o prazer do homem. Penetração e ponto. Exemplos de relações frágeis porque norteadas por concepções machistas. Exemplo de como decisões médicas importantes podem ser guiadas por uma postura machista que contraria as recomendações da Organização Mundial da Saúde (esta condena a "epidemia de cesáreas").

Não estou contestando a realidade das mudanças corporais no pós-parto, contesto a visão do corpo feminino como objeto de um prazer primário masculino. Essas alterações corporais devem ser levadas a sério, mas jamais motivadas por uma espécie de "mito pornográfico da virgenzinha" ao qual a mulher deva se conformar. Eu não sei como é no Brasil, mas na França há uma prática de reembolso, pelo sistema público de saúde, de sessões de fisioterapia para a reeducação do períneo após o parto normal. Parece importante, para os franceses, que a mulher possa retomar rapidamente uma sexualidade agradável. E é. Agradável tanto para ela quanto para o parceiro, repare na nuance... Mas não é só isso, a preocupação é centrada na saúde feminina, na prevenção de complicações como incontinência urinária ou até prolapso genital, com a perda de sustentação dos órgãos. Bem diferente das preocupações geradas pelo temor da "fuga do marido descontente"...



84

Quem são os masculinistas?

por Tággidi Ribeiro



Pensem numa pessoa entediada. Bem, sou eu. Estou entediada neste momento por uma coisa só: porque é necessário falar dos masculinistas, ou seja, dos homens que não amam as mulheres. A Lola Aronovich já falou muito deles. Mas ainda não foi, não é o suficiente - e sabe-se lá quanto será suficiente falar de gente que é ou louca, ou burra. 

Porque os masculinistas não são outra coisa: são loucos ou burros. Provavelmente as duas coisas, como diria o Chaves. Não posso dizer que sejam simplesmente imaturos, pois que têm na maioria das vezes mais de vinte e poucos anos - perdoamos sempre os arroubos da adolescência, mas a homens adultos e vacinados só podemos deplorar a falta de capacidade intelectual ou a pura desrazão. #fazeroquê 

Masculinistas são homens que dizem que vivemos numa sociedade 'bucetista', que lambe o salto das mulheres, como se realmente nós, mulheres, comandássemos o mundo. Se você (homem ou mulher) acha que nós mulheres comandamos o mundo, olhem para as taxas de estupro reportado na Inglaterra - país de primeiro mundo, longe de ser tão machista quanto o Brasil - e ponham a mão na consciência. Olhem para o dinheiro e para o poder - que estão na mão de quem

Olhem para o islã... Embora o problema não seja, fundamentalmente e sem trocadilho, o islã. O problema são todas as nações e religiões deste planeta insistindo que as mulheres não somos iguais, com nossas dores, alegrias, desejos e história. Nosso mundo, mesmo sabendo de tanto, não consegue admitir o básico: pertencemos a uma mesma espécie, não há porque sermos consideradas inferiores e tratadas como tal por nossos companheiros.

meme genial da Maíra Lacerda.
Os masculinistas, no entanto, ao melhor estilo old school década de 1950, rejeitam qualquer ideia que se aproxima de igualdade e criticam este momento singular da história, nos seguintes termos: as namoradas não são mais 'capazes' de fazer mingau para seus namorados e isso significa o fim dos relacionamentos. Tudo culpa do feminismo!
mais um meme da Maíra!

Masculinistas são homens que seguem um tal de Nessahan Alita e dizem 'praticar o desapego', o que significa basicamente que eles fogem de se envolver emocionalmente com mulheres, considerando-as 'depósito de porra'. Apenas as novinhas (meninas entre 12 e 18 anos) e superlindas jovens interessam, pois para eles a vida de uma mulher acaba aos 30 anos. Para o homem, começa aos 30 anos.

Bem, depois de comer merda pra poder cagar isso tudo aí, os masculinistas ainda se julgam 'homens honrados'. E tanto que podem chegar a planejar assassinatos, serem cúmplices de chacina e fazerem apologia ao estupro e à morte de mulheres, negros e homossexuais. 

Você não sabia que os masculinistas existiam? Bem, agora você sabe. Uma única página no facebook reúne mais de 20.000 desses descerebrados misóginos - que reclamam da falta de mingau...

ps: denuncie páginas preconceituosas, sempre